quinta-feira, 17 de março de 2016

CLEOSTRATO


            Cleostrato (em grego Κλεόστρατος), de Tenedos, foi uma antigo astrônomo grego que teria vivido por volta de 520 a 432 a.C., a quem se atribui a introdução do Zodíaco[1] e do calendário solar babilônico no mundo grego, a partir dos signos de Aries e Sagitário.
Segundo Anaximandro, em seu fragmento (DK 12 A 5), diz-se que Cleostrato observou que as constelações e as primeiras estrelas de Áries e Sagitário estão no Zodíaco. Também, de acordo com o fragmento 1 de Parmenisco, (DK 20 B 1), se diz que Cleostrato de Tenedo havia indicado pela primeira vez as estrelas de Capricórnio.

Parmenisco afirma que as primeiras partes do escorpião são chamados de os primeiros sinais, que entre os antigos tomou este nome a partir do fato de que Bootes[2] começa a minguar, juntamente com elas. Por exemplo, Cleostrato, que era um estudante de astronomia, assim descrevia: Mas cada vez que o terceiro dia, depois de oitenta residentes, mostra Artofilace[3], então, na verdade, as primeiras estrelas de Escorpião desaparecerão no mar ao nascer do Sol. (DK6B1)

            Conforme KIRK (1994, p.85), não obstante, devemos recordar uma vez mais que no período arcaico de fizeram amplas observações sobre os solstícios e sobre o nascimento e o ocaso das estrelas, e que tais observações foram igualmente registradas em verso, em parte numa tentativa de estabelecer um calendário satisfatório: Veja-se Cleostrato, em seu fragmento (DK6B4)

Este “Período de Oito anos” que geralmente se acredita ter sido estabelecido por Eudoxo de Cnido, tem sido transmitida como composto por Cleostrato primeiramente.



[1] O nome zodíaco vem do (“ζωδιακός =zodiakós”) grego e significa “círculo com imagens de animais, nomeados desde os tempos antigos, divididos em 12 casas ou sinais de 30º cada, correspondendo às 12 constelações observadas por astrônomos e que se tornaram constelações zodiacais. Estas constelações são agrupamentos ideais de estrelas fixas, representando figuras geralmente derivadas da mitologia, cujos nomes foram dados a partir da imaginação dos antigos que procuravam, no universo, uma manifestação do divino, mas que também sentiam a a necessidade de encontrar pontos de referência para se orientar em suas viagens noturnas, tanto por terra quanto por mar, Sabe-se que por volta de 1500 anos antes de Cristo, os astrônomos babilônios já haviam desenhado mapas celestes, dividindo o curso do Sol ao longo da elíptica em 12 sinais, chamando-os pelos nomes que usamos até hoje: Aries, Touro, Gêmeos, Câncer, Leão, Virgem, Libra, Escorpião, Sagitário, Capricórnio, Aquários e Peixes.
[2] Bootes é uma constelação do hemisfério celestial norte, cuja estrela mais brilhante é Arcturus.
[3] Outro nome atribuído a Bootes.
Postar um comentário