quinta-feira, 2 de abril de 2009

Os Construtores

- Quem casa quer casa!

Esta afirmação, tão antiga quanto os primeiros registros escritos e, quiçá antes, nos mostra a pujança e dinamismo da construção civil.
A idéia da habitação, do lar, remonta aos princípios da humanidade e está diretamente ligada à concepção de família.
O déficit habitacional, não só no Brasil, mas no mundo é uma constante desde os tempos bíblicos e curiosamente, agora, no limiar do século XXI toma proporções gigantescas, sendo inclusive a causa maior da atual crise financeira que afeta o mundo.
A necessidade de investimentos maiores na construção de casas, além de oferecer melhor qualidade de vida às famílias de modo geral, é também uma mola que proporciona o crescimento sustentável da economia, gerando empregos, comércio, impostos, etc.
O grande sucesso, ao menos no início, da revolução bolchevique nos primeiros momentos da União Soviética no século passado, foi um gigantesco projeto de construção de casas, empregando milhões de pessoas de pouca ou nenhuma qualificação profissional que viam no modelo, a possibilidade de conquistar uma habitação digna para si e para os seus e, tal como agora, foi o ópio que levou um contingente enorme de pessoas e instituições a deixarem de lado as regras fundamentais de tolerância, paciência e prudência que culminou com a perda das liberdades individuais no caso da URSS e na atual crise mundial.
Nos dois casos, a falha não foi do remédio aplicado e sim da dose oferecida que às custas de um populismo tolo, entorpeceu o senso crítico das pessoas.
Faz-se mister uma atenção especial para as recentes declarações de nossos dirigentes que, pensando em perpetuar-se no poder, ao menos no curto prazo, elaboram e vendem ao povo planos falaciosos nesta mesma linha de pensamento.
De forma desapaixonada, o segmento de construção civil é, aliado ao segmento de transportes, a grande responsável pela oferta de emprego e renda no mundo globalizado. Se visto com o olhar da prudência e da seriedade é, por assim dizer, um dos poucos setores imunes às oscilações do mercado, tornando-se um porto seguro para todos aqueles que necessitam trabalhar para sustentar a si e a sua família.
Exemplos de crescimento econômico e social conquistado pelos povos quando aliados às grandes obras da construção civil podem ir desde a construção do templo de Salomão que já dividia os obreiros por tarefas às grandes hidroelétricas dos dias modernos.
Não se pode dizer o mesmo das Pirâmides que utilizavam mão de obra escrava para serem erguidas, utilizando-se um escravo para todas as funções até seu esgotamento físico total, geralmente associado à morte.
Com estas características é normal, e de certa forma desejável, que um número maior de empresas e organizações procurem especializar-se em determinadas fases do processo construtivo, com o objetivo claro de reduzir custos e ganhar competitividade.
Desta forma, nos últimos anos temos presenciado o surgimento de empresas especializadas em sondagens de solo, outras em fundações, outras em fornecimento de peças de concreto pré-moldados ou ainda em coberturas, acabamentos, pinturas, etc.
O grande problema deste raciocínio é o de assegurar-se que, ao menos em parte, não se perca a idéia do todo, o que gera custos, retrabalhos, desperdícios.
Embora o governo, as associações de classe se esmerem em estabelecer padrões e regras para os processos construtivos, a bem da verdade, o sucesso só estará assegurado se os profissionais ligados ao segmento forem corretamente treinados para uma visão sistêmica, do todo.
O responsável pela elaboração dos alicerces deve antes de qualquer coisa pensar em como o pedreiro irá assentar os tijolos sobre o baldrame que ele está fazendo, afinal ele é o seu cliente, é quem compra e elogia o seu serviço. Igualmente o pedreiro deve pensar no executor do telhado ou forro, no pintor, no eletricista, no encanador, etc.
O conhecimento do todo é fundamental para o sucesso de um profissional que, especializado em uma determinada atividade, sabe antever as necessidades dos outros, servindo-os de modo que só receba elogios pela presteza e colaboração que oferece.
Postar um comentário