quinta-feira, 20 de novembro de 2014

SIMPLESMENTE “G”, SUFICIENTEMENTE “G”


G” de Geometria, a arte de medir.
Nos estudos de filosofia, os alunos principiantes, logo no início de sua jornada rumo a conhecimento, deparam-se com a expressão:
Ποιος δεν έχει δεν γεωμετρα μεταξύ της
Quem não é Geômetra não entre!
Eles aprendem que esta frase se refere à famosa advertência que se podia ler no portal da Academia de Platão. 
Aprende, também, que advertências análogas eram comuns nas entradas de templos e santuários antigos, nos quais, no lugar da Geometria, eram requeridas pureza e outras qualidades, funcionando como uma "senha" para os iniciados.
Neles, matemática e a Geometria assumiram, sempre, uma posição de destaque, marcando um momento de Grande importância na definição do pensamento ocidental e da filosofia em seu nascer: aquele da "descoberta" de um "método científico", entre o V e o IV séculos a.C.
A Geometria ajudou a razão a superar os mitos.
O “G” passou a significar a Grande mudança.
Mais tarde, com o advento da modernidade, “G” passou, também a significar God (Deus), Gold (Ouro) e Glory (Glória).
Em seu nome e, por sua causa, Guerras foram travadas e o homem, sacrificando o Gentio, deixou a razão para trás, transformando-a quase em um mito.
Hoje, em seu Gabinete, o homem moderno, Ganancioso, com seu terno de Gabardina, ou em festas com seu traje de Gala, fazendo Gabarolice com o dinheiro público ou, de forma Gaiata, a Gargalhar, Gaba-se de ser Guardião da Gente mais humilde, vendo no irmão sofrido um reles Gaudério.
Como General, empunhando seu Gládio, arrola-se ser Gestor da Gentalha, esta sim, acostumada a viver na Geena e para quem a Gatunagem é coisa à toa.
Mas nem tudo se mostra tão Gritante, de forma tão Grosseira ou Grave.
Na maçonaria, por exemplo, no Grau de companheiro, o estudante aprende que,  inspirado pela letra “G”, de Gnose, que representa a imagem da inteligência universal, ele deve possuir o conhecimento sobre as medidas.
Aprende que, na vida, medem-se todos os aspectos da Natureza exterior e interior; medem-se as palavras e as obras e que, para tanto, são usados instrumentos específicos, símbolos, que devem ser usados com razão e equilíbrio.
Na construção dos templos, exterior e interior, ela é vital porque nada pode ser feito sem uma medida adequada, desde o ponto às linhas retas e curvas e todas as demais dimensões.


Professor Orosco
Postar um comentário