terça-feira, 19 de maio de 2015

A FORÇA DE UM SLOGAN


Participando de uma palestra na Semana de Oração Pela Unidade dos Cristãos, tive a oportunidade de presenciar um interessante debate sobre os temas ligados à Religião e Educação, isto dentro de um contexto histórico e político, já que o Slogan do atual governo é o “Pátria Educadora”.
Uma Pátria Educadora que lança cães raivosos contra professores ainda mais raivosos.
Uma Pátria Educadora onde sacrifica-se mais de dois meses do período letivo em um movimento grevista, sabidamente político, onde os professores têm consciência de que o governo precisa respeitar um orçamento, ainda que este contemple obras faraônicas ou propinodutos, sacrificando os alunos que, por sua vez, festejam ao som do Funk, a extensão do período de férias.
Uma Pátria Educadora que, a exemplo de um artigo que publiquei em meu blog, aceita e perpetua uma Escola como Reprodutora das Desigualdades Sociais, como foi tão bem descrita por Pierre Bourdieu.
Uma Pátria Educadora que se vale de um slogan, desconectado da realidade, como foram os famosos slogans adotados no recente período da ditadura militar em nosso país, que alguns sonham em reviver, ou melhor viver, pois não acredito que quem tenha vivido à época queira reviver aquele período muito bem representado por um silogismo aristotélico, como bem lembrou o Professor Dr. Leonildo Silveira Campos, o palestrante de hoje:
O primeiro governo militar dizia:
O Brasil à beira do abismo.
O segundo governo militar dizia:
Brasil, um passo à frente.
Só poderíamos ter como conclusão, o slogan do terceiro governo militar que dizia:
                                                           Ninguém segura este país
            Uma Pátria Educadora, onde tanto a Igreja quanto a Escola não percebem que o problema está na Família que dia a dia se dissolve auxiliada por uma mídia que serve ao Capital e que incentiva um consumismo desprovido de sentido moral, onde os pais abdicaram da educação dos filhos, oferecendo-os em holocausto ao Deus do Mercado
            Uma Pátria Educadora que não segue a premissa que reproduzi de Albert Schweitzer : Dar o exemplo não é a melhor forma de Educar, é a única.

Professor Orosco





Postar um comentário