terça-feira, 18 de junho de 2013

AFINAL, O QUE ESTÁ ACONTECENDO? QUAL A SAÍDA?

         Assistindo de forma entusiasmada às recentes manifestações populares de protesto que se espalharam pelo Brasil, que tiveram a oportunidade de sintetizar a profunda decepção do nosso povo com seus governantes, em todas as esferas de todos os poderes, procuramos compreender as causas que deflagraram este movimento, para tentar encontrar uma saída possível frente o impasse que se aproxima, com a velocidade da Internet, cujos desdobramentos podem ser muito ruins.
            Auxiliado nesta reflexão por um artigo de Juan Arias, publicado no jornal El Pais, edição de 17 de junho último, vamos primeiramente levantar algumas perguntas, que geram a perplexidade naqueles que deveriam conduzir a Nação.
     1-    Por que surge “agora” um movimento de protesto, como os que ocorrem no restante do mundo, quando nos últimos anos o Brasil viveu anestesiado, gozando da estabilidade econômica e do pleno emprego? Mais rico, com menos pobres, mais democrático e menos desigual?
       2-    Por que saem às ruas para protestar contra o aumento da passagem de ônibus jovens que evidentemente não usam estes meios, que já possuem carros?
          3-    Por que protestam os estudantes oriundos de famílias pobres, que a pouco tempo sonhavam poder ver seus filhos na Universidade?
         4-    Por que estes manifestantes estão recebendo apoio da população que apenas há bem pouco tempo conseguiu elevar-se à Classe C? Uma massa humana que sonhava poder comprar uma geladeira, uma máquina de lavar ou uma televisão, e que, só recentemente conseguiu realizar este sonho?
         5-    Por que o Brasil, sempre orgulhoso do seu futebol, mostra-se, agora, contrário ao Mundial, inclusive vaiando uma presidente que tem 70% de aprovação, segundo os institutos de pesquisa?
        6-    Por que os protestos recebem apoio de moradores de favelas recém pacificadas, cujos moradores tiveram melhoria de renda e se libertaram dos narcotraficantes?
          7-    Por que até os índios, que tem recebido apoio dos tribunais, estão se revoltando por toda a parte?
         8-    Por que, após sofrer as agruras de longo período de ditadura, vivendo em uma democracia, só agora estão revoltados?
        9-    Serão os manifestantes tão ingratos para com aqueles que foram eleitos e que estão trabalhando para melhorar o país?
        10-  Por que?
            Na verdade, a explicação para todo este movimento e para responder a todas estas perguntas, é bem simples:
            A motivação humana, que pode ser entendida em termos de hierarquia de necessidades, partindo das necessidades fisiológicas até a autorrealização, explicada por Abraham Maslow, nos mostra claramente que, atendidas as necessidades básicas, como alimento, moradia, etc., assume igual importância, o nível da pirâmide imediatamente acima, onde as necessidades de segurança, necessidades sociais e de autoestima tornam-se igualmente imprescindíveis.

                        “Pode-se ensinar uma pessoa a pensar.
                        Depois disto, é impossível evitar que ela pense”.

            O paradoxo de todo governo de transição, burro, que insiste em manter velhas práticas despóticas para governar, reside exatamente neste detalhe.
            A insistência na manutenção de estruturas oligárquicas, podres e distantes do povo, privilegiadas por leis casuísticas e pela truculência policial contra os insurgentes, acaba por transforma-se no combustível que fornece energia à massa rebelada, fazendo aflorar a violência.
            A história humana é repleta destes exemplos.
            A solução, embora dolorosa à elite governante, apresenta-se melhor do que a alternativa da insistência nestas práticas antiquadas de mando.
            As cabeças dos nobres girondinos que o digam.
            Para começar, torna-se necessário urgênciar os mecanismos de combate à corrupção, fortalecendo o Ministério Público e agilizando os processos contra os crimes de “colarinho branco”.
            A punição exemplar dos “inimigos do povo” provoca a ataraxia necessária para que se possa continuar as reformas reclamadas.
            A renegociação do “Contrato Coletivo de Convivência” (leia-se Constituição) a cada nova geração, ou pelo menos a cada 25 anos, para atender e para comprometer os jovens, é outra importante forma de manter acesa a chama da concórdia.

            “Não sou responsável e não me sinto compelido a obedecer leis escritas nos tempos imperiais, que não representam minhas convicções, valores e crenças”.

            Finalmente, nesta emergência, promover a transparência, sem “maracutaias”, parafraseando nosso “líder” mais carismático, nos contratos públicos, que devem ter as prioridades estabelecidas, segundo a pirâmide de Maslow.
            Não adianta construir estádios de futebol ao invés de concluir a transposição do São Francisco, por exemplo.
            Estas medidas iniciais, em minha modesta opinião, completam o início da transformação que pode ajudar a serenar os ânimos, a partir de quando, se pode pensar nas reformas estruturais e políticas para continuar avançando.

Professor Orosco


Postar um comentário