terça-feira, 9 de dezembro de 2014

HISTÓRIAS QUE O POVO CONTA Nº 8

A RESPOSTA DO ORÁCULO

Conta a Mitologia que cada herói, antes de lançar-se a uma aventura, valia-se da consulta ao oráculo, como forma de antever o sucesso ou fracasso da jornada.
Diferentemente do que se pensa ou do que se diz pelo senso comum, oráculo não era uma pessoa, mas um lugar.
Oráculo era o nome utilizado para designar o lugar em que se podiam buscar as respostas de qualquer divindade, dadas àqueles que o consultavam sobre o futuro, além de denominar, igualmente, a própria resposta recebida.
O mais antigo oráculo da Grécia era o de Júpiter de Dodona, antiga cidade, localizada próximo à atual Tomaros, região do Épiro, no noroeste grego.
O mais célebre, foi o de Apolo, em Delfos, cidade edificada nas colinas do Parnaso, na Fócida.
Havia também o de Trofônio, em Lebadeia, na Beócia.
Vários outros dedicados a Esculápio, ficando o de maior renome em Epidauro.
Em Mênfis, ficava o oráculo de Áspis, o boi sagrado, que respondia àqueles que o consultavam pelo modo como aceitava ou recusava o que lhe era oferecido.
Em todos eles, a pitonisa (a sacerdotisa) entrava em uma espécie de transe hipnótico, que por sua vez fazia sempre despertar a faculdade da clarividência, transmitindo àquele que consultava, uma mensagem, quase sempre enigmática, que dava asas à imaginação humana e que poderia ser interpretada segundo os desejos ou temores de quem ouvia, ou, ainda, correlacionado aos fatos, depois de acontecidos.



Professor Orosco.
Postar um comentário